sábado, 2 de fevereiro de 2013

Jornada de Agroecologia da Bahia - um resgate da utopia e da união dos povos.


"Se temos de esperar, que seja para colher a semente boa que lançamos hoje no solo da vida. Se for para semear, então que seja para produzir milhões de sorrisos, de solidariedade e amizade." Cora Coralina

Na Jornada de Agroecologia, Zumbi encontrou o MST

O Território Litoral Sul sediou entre o dia 26 de novembro à 1º de dezembro de 2012 , a I Jornada de Agroecologia da Bahia, no Assentamento Terra Vista, na cidade de Arataca, Bahia. O evento teve como tema central “Agroecologia: uma proposta de soberania do território baiano”, reuniu diferentes povos de comunidades tradicionais da Bahia para a troca de saberes e de conhecimentos sobre Agroecologia: indígenas, quilombolas, assentados, agricultores, ativistas diversos, estudantes.

O evento teve como objetivo proporcionar um espaço para a reflexão sobre a agroecologia e o desenvolvimento sustentável dos povos e comunidades tradicionais do território baiano. Para isto, uma programação especial foi cuidadosamente executada para troca de saberes entre diversos segmentos de saberes, aprendizados práticos, construção de uma avaliação e definição de encaminhamentos sobre a Prática Agroecológica no Estado. 

Mística de Abertura da Jornada


Seria impossível conseguir expressar o que vivemos no Assentamento Terra Vista nesta I Jornada de Agroecologia da Bahia. As dificuldades anteriores pareceram necessárias para a construção daquela atmosfera formada pela nossa gente, pela energia e trabalho de tod@s que lá estavam e que colaboraram das suas bases de atuação para que aquela semana especial acontecesse.


Tivemos a oportunidade de vivenciar saberes indígenas, quilombolas, campesinos, sagrados, femininos, da natureza, do coletivo, das trocas, das lutas, de nossa gente brasileira. Diante de nossas diferenças, encontramos respostas para nossas semelhantes dificuldades e conseguimos reconhecer que juntos temos soluções viáveis e que, caso não tenhamos apoio governamental como gostaríamos, assim mesmo temos a nossa força para fazer acontecer. Todavia, foi importante perceber que temos alguns d@s noss@s também atuando no Estado (mesmo que poucos) e alguns desses com suas colaborações nos fazem crer que ainda podemos confiar e dar as mãos para construir o mundo que desejamos. Assim mesmo, temos que reaprender a fazer sem apoio, sem burocratizar tanto e acredito que vivenciamos isso da melhor forma possível.






O espaço da Jornada nos fez perceber o quanto é importante estarmos juntos e colaborativos na luta de melhoria de nossas comunidades. O Universo Criador com Toda sua amorosidade nos proporcionou um espaço de convivência intenso, fluídico e que nos mostra que existe uma transformação maior acontecendo e que somos tod@s gotas importantes no processo, mas que sozinh@s, somos somente mais um tentando, porém juntos, somos muitos fazendo acontecer.


Casa do Boneco realizou importante contribuição na Jornada, além das atividades culturais, um importante debate sobre educação popular , racismo foi travado, além de demarcar a perspectiva cultural na concepção agroecológica



Como consequência do evento, nasce uma Rede de Agroecologia que fará da Jornada uma disposição permanente de luta, encontros, trocas, compartilhamento de práticas e fortalecimento conjunto.

Say Adinkra e Mayne Santos


Nenhum comentário: